quarta-feira, 16 de maio de 2018

O Que Você Faria Se Sua Vaca Caísse do Penhasco?

vaca penhasco precipício mestreUma pergunta corriqueira quando duas pessoas estão se conhecendo é aquela velha “o que você faz da vida?” e a resposta geralmente é bem simples e curta: “sou programador”, “sou vendedor”, “sou analista de recursos humanos”, “sou contador”, “sou advogado”, “sou dentista”, “sou médico”, “sou engenheiro”, etc.

E nós usamos a palavra “sou” porque de fato é aquilo que somos: se um cidadão passou 4 anos na faculdade de direito, ralou para ser aprovado na OAB, tem experiência de trabalho apenas em escritórios de advocacia, como ele poderia ser algo se não advogado?

Feita essa introdução, vou trazer, rapidamente, a historinha da vaca no penhasco. Acredito que seja uma história bem conhecida, mas se você ainda não conhece, vale a leitura e reflexão.

vaca penhasco precipício mestre

"Mestre e discípulo andavam pela estrada. O caminho era inóspito, agressivo. Muitas pedras e montanhas escarpadas de muito pouca vegetação. Avistaram, ao longe, uma casinha de aspecto pobre e humilde, e para lá se dirigiram.

Foram recebidos, hospitaleiramente, pelo dono da casa e sua numerosa família. Foram abrigados, e os residentes, com eles, compartilharam sua escassa comida e seu espaço para dormir. Interrogado pelo mestre, o dono da casa disse que a alimentação provinha de uma única fonte: uma única vaca da qual tiravam leite e seus subprodutos. O excedente era usado para efetuar trocas no povoado mais próximo.

Mestre e discípulo ficaram ali mais alguns dias, e depois partiram. Algumas horas depois da partida, o mestre disse ao discípulo:

- Volte lá, às escondidas, e jogue a vaca no penhasco.

Estupefato, o discípulo argumentou:

- Mestre, como podes me pedir isto? Então não percebes a pobreza de tão numerosa família, e que seu único sustento é a vaca? E, mesmo assim, pedes-me para jogá-la no penhasco?

- Sim - disse o mestre. Jogue a vaca no penhasco.

Desorientado, o discípulo decidiu atender o mestre, no entanto, não conseguia fazê-lo, sem sentir uma enorme culpa. Mesmo assim, o fez pelo mestre.

Alguns anos depois, passavam novamente pelas proximidades, o mestre e o discípulo. Sem nada dizer ao mestre, o discípulo decidiu que pediria perdão por ter jogado a vaca do penhasco. Assim, dirigiu-se até lá. Mas, quando chegou, não mais encontrou a pobre casinha em seu lugar. Havia uma construção nova e confortável. As pessoas que avistou eram limpas e bem vestidas, o ambiente era de trabalho, e o progresso era evidente. Foi, então, até uma das pessoas e perguntou:

- Há uns dois ou três anos, aqui havia uma pequena e pobre casinha. Saberia me dizer para onde foram aquelas pessoas?

- Somos nós - respondeu o homem.

- Não, refiro-me àquelas pessoas pobres que aqui viviam.

- Somos nós - respondeu ele, novamente.

- Mas, o que aconteceu? - disse, olhando o progresso a sua volta.

- Bem , ocorreu uma tragédia conosco. Nossa vaquinha leiteira, única fonte de sustento da família, se soltou do pasto e caiu no precipício. Entramos em aflição e não tivemos outra alternativa a não ser buscar outras formas de nos manter. Assim, aprendemos a plantar e cultivar diversas frutas e hortaliças, começamos a fazer produtos próprios e comercializá-los lá na cidade. Como resultado, temos hoje uma bonita e confortável casa"

E QUAL A MORAL DA HISTÓRIA?



Na maioria das vezes estamos tão preocupados em ser grandes advogados, arquitetos, engenheiros que esquecemos de nos questionar o que mais nós "somos"...

Será que esse caminho profissional que adotamos, muitas vezes iniciado aos 17 ou 18 anos quando escolhemos um curso universitário ou mesmo quando logramos aprovação em um concurso público, é o que nos dará mais retorno financeiro e pessoal ao longo da vida ou seria interessante atirar essa vaca no precipício?

Você já parou pra pensar se sabe fazer outra coisa além do que você faz habitualmente e se seria bem remunerado por isso? Se sim, compartilha ai nos comentários!

Abraços,

Senhor Ministro

contato: mininvestimento@gmail.com

22 comentários:

  1. Gosto da reflexão, mas sua aplicabilidade na vida profissional é limitada, ao meu ver, no Brasil. Num país em que 5% da população não tem emprego, jogar no precipício a sua vaca não é nada seguro.

    Na minha opinião, a melhor solução é aumentar o número de vacas, ao invés de restruturar sua vida do zero. Pelo menos é o que pretendo fazer, buscando sempre o próximo degrau da escada em que tenho subido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você Bicho Poupão!

      A ideia não é jogar tudo para o alto como na parábola, em que a família se viu desesperada sem a vaca, até por que no desespero podemos tanto crescer como afundar de vez...

      A ideia é termos sempre em mente (e quando possível em prática) planos B, C, D, que eventualmente podem se mostrar melhores que o Plano A, mas que também servem de proteção caso algo inesperado aconteça com o Plano A.

      A renda passiva fruto dos investimentos no mercado financeiro não deixa de ser um Plano B, mas acho que todos nós deveriamos pensar em outras "vacas" relacionadas à habilidades que temos e como gerar dinheiro com elas.

      Abraços!

      Excluir
  2. maus tratos aos animais. isso é um absurdo. coutadada da vaquinha, fez nada pra merecer isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confesso que não pensei nisso ao degustar um saboroso estrogonofe de filé mignon no almoço.

      Excluir
    2. kkkkkkkkk resposta sensacional

      Excluir
  3. Essa história é muito inspiradora, fala da acomodação.

    Eu já pensei nisso, mas por enquanto não posso jogar minha vaca do penhasco, ela ainda tem muito leite a oferecer kkk

    Abraço e bom post, Ministro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkk mas pensa só....jogar a vaca no penhasco nem sempre é largar tudo. Às vezes uma pessoa trabalha numa grande empresa ou órgão público há vários anos sempre na área de Recursos Humanos, e é isso que ela sabe fazer.

      Mas será que se ela jogasse a vaca do RH no penhasco e tentasse seguir carreira em outra área da empresa/órgão não lhe renderia melhores frutos?

      Abraços!

      Excluir
  4. Olá Ministro.
    Legal a reflexão. Vejo muita gente que não tem coragem de mudar de área e fica num serviço de merda.
    Eu estou buscando a IF para depois mudar de área, mas também estou procurando outros meios para ganhar mais dinheiro.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ai Cowboy!

      Mudar de área depois de alcançar a IF é certamente a melhor opção, mas até lá acho válido atirarmos alguns "bezerros" no penhasco e irmos nos reinventando de vez em quando.

      Abraços!

      Excluir
  5. Oi ministro, particularmente sou militar concursado e garanto pra você que jogar a vaquinha do precipício por mais que seja desejado causa pânico, afinal sair da zona de conforto dói é por isso que como você eu busco a independência, pra poder fazer algo que realmente sentimos prazer e aue agregue mais valor a nossa sociedade. Grande abraço. Se puder da uma passadinha np blog, coloquei vc no roll.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ai Seco!

      Pois é, atirar a vaca no penhasco não é pra qualquer um, o risco é grande, mas certamente podemos e devemos de vez em quando atirar alguns bezerros e já pensarmos na construção do que seria um caminho que nos trouxesse mais frutos financeiros e pessoais, até porque pensar que estamos insatisfeitos com determinada situação é fácil, o difícil é pensarmos numa alternativa pra isso.

      Vou add você no blogroll!

      Abraços!

      Excluir
  6. Olá Ministro,

    Bela reflexão! Jogar a vaca no penhasco assim como muitos, é bem radical. Como você já comentou, pode funcionar para o bem ou para o mal.

    Mas, é interessante que há várias histórias mostrando superação. Uma que gosto muito é de como o Japão renasceu das cinzas...

    Jogar a vaca pelo penhasco é a famosa mudança radical. Quem estiver disposto a sofrer...

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Inglês.

      Haja coragem para jogar a vaca no penhasco, mas são inúmeras as histórias de sucesso e pessoas (ou países, como você citou), que jogaram sua vaca (ou alguém jogou por elas) e tiraram grande proveito dessa situação de desespero.

      Tenho como principal exemplo minha mãe, que decidiu largar uma carreira de 15 anos numa grande instituição financeira para abrir sua empresa (que não tem nada a ver com a área financeira) e hoje ela é extremamente realizada com isso e sua empresa é referência na área na cidade (uma capital).

      Mas é um grande risco né, todo all in carrega um enorme risco.

      Abraços!

      Excluir
  7. "se um cidadão passou 4 anos na faculdade de direito, ralou para ser aprovado na OAB, tem experiência de trabalho apenas em escritórios de advocacia, como ele poderia ser algo se não advogado?"

    E é aqui que mora o perigo, meu caro Sr. Ministro.

    90% dos advogados que conheço infelizmente pensam desta forma. Não acompanham as mudanças do mundo e nem as oportunidades fora da área jurídica, afinal mantém o pensamento de 'eu sou um advogado.. e FIM!'

    Sempre pensei diferente. Talvez por isso eu me sinta mais confortável na finansfera (a minoria da minoria da minoria da população gosta disso aqui), e não lutando contra a utilização de tecnologias por conta das mudanças que elas apresentarão em vários empregos - incluindo aos advogados.

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ai nobre TR!

      A maioria dos profissionais pensam assim, principalmente aqueles que tem uma carreira com função mais específica como engenheiros, advogados, médicos, contadores, etc.

      Você destacou bem, a tecnologia está ai e muitas profissões serão fortemente impactadas num futuro próximo, precisamos estar sempre preparados para jogar a vaca no penhasco e virar a página, por mais assustador que isso possa parecer.

      A verdade é que é confortável saber como a gente se encaixa no mundo, como um advogado de sucesso por exemplo. Qualquer coisa que abale esse conforto causa pânico, mesmo que tenha o potencial de melhorar nossas vidas.

      Abraços!

      Excluir
  8. Acho importante pontuar que as vezes é a vida que joga sua vaca e não você. Esteja preparado para viver sem ela. Tenho certeza que a família do conto sofreu muito até conseguir viver sem sua querida vaquinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Surfista!

      A vaca pode ser jogada do penhasco por fatores alheios à nossa vontade, e é nessas horas que precisamos mostrar capacidade de adaptação e de se reinventar para superar o sofrimento e conseguir seguir em frente!

      Abraços!

      Excluir
  9. Essa teoria da vaca realmente é algo complicado. Paulo vieira cita ela em o Poder da Açao. Kyiosaki também nos faz refletir muito em seu livro sobre a nossa vaquinha..Enfim , mas eu sou mais a teoria do Lair Ribeiro.

    Que as oportunidades surgem no decorrer do nosso dia-a-dia , trabalhando duro e buscando melhorar , oportunidades surgem do "Nada".

    Pra quem não conhece irei contar a história dele e como uma grande oportunidade surgiu para ele.

    ' Lair Ribeiro é Médico e trabalhava em um hospital , em uma certa noite chuvosa , um homem te ligou e falou o seguinte

    - Doutor , meu pai está muito doente aqui , ja liguei para varios médicos e nenhum quis me atender por causa do temporal e da hora
    preciso de você

    Lair pensou , pensou e em plena 1h da manha acordou e foi atender esse paciente em sua casa.
    Chegando lá resolveu o problema dele e depois conversando com o PACIENTE descobriu que o mesmo era Gringo e diretor de um Hospital em Harvard.

    O Gringo vendo o esforço do Lair , convidou-o a passar uns dias la nos States , ele não perdeu tempo e aproveitou a oportunidade. Acabou se tornando direito de 2 hospitais famosos por lá e fez fortuna.

    Enfim , MORAL DA HISTÓRIA ! Acredito firmemente que o lema " Acorde cedo e trabalhe duro " tenha sentido é só sermos inteligentes para aproveitar as oportunidades que aparecem e elas aparecem.

    Adcionei voce no blogroll

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ao Filho do Chefe!

      Eu concordo com você, quanto mais trabalhamos duro e nos mantemos de "antenas ligadas", mais chances temos de abraçar boas oportunidades.

      Porém a grande maioria das oportunidades não nos aparecessem exatamente como uma oportunidade, mas sim como uma possibilidade, e como uma possibilidade ela tem riscos.

      No caso que você citou do Lair Ribeiro, ao decidir abandonar a sua consolidada carreira no Brasil para tentar "a sorte" nos EUA, de certa forma ele arriscou, ele atirou uma vaca no precipício, e acabou colhendo frutos por isso.

      Você trabalha na empresa do seu pai e tem a expectativa de um dia assumir o controle, mas supondo que uma grande rede de postos viu seu trabalho e te chama para ser diretor, com possibilidade de virar CEO e acionista. Isso tanto pode ser uma oportunidade, como uma furada, mas você só saberá se atirar a vaca do penhasco e tentar a sorte!

      Vou te add no blogroll!

      Abraços!

      Excluir
    2. Show de bola o seu comentário senhor ministro. Simplesmente fantástico a analogia que você fez sobre mim. E tudo que falou é a mais pura verdade. Realmente , querendo ou não , estamos atirando a vaquinha quando agarramos outra oportunidade.

      Excluir
  10. Ter varias fontes de renda é essencial para ter bastante dinheiro, pois, se uma fonte de renda dá errado, as outras ainda podem cobrir as despesas e sobrar dinheiro.

    Abraço e bons investimentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso ai DIL, assim como é prudente diversificar nossas investimentos, também é interessante diversificarmos nossas fontes de renda e conhecimentos profissionais.

      Abraços!

      Excluir