segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Se Você Nasceu em Família Pobre, Seu Problema Não é o Dinheiro!


Faaaala pessoal!

Esses dias reparei uma coisa curiosa onde trabalho e que me levou a uma reflexão pesada sobre a capacidade que as pessoas tem para ganhar, ou não, dinheiro. Deixe-me explicar.

Em qualquer ecossistema da sociedade as pessoas tendem a se organizar em castas com características semelhantes. Por exemplo, na escola os vagabundos tendem a fazer amizade com outros vagabundos, os nerds com nerds, os populares com populares e os impopulares com impopulares. Na igreja vai ser a mesma coisa, na vizinhança a mesma coisa e no trabalho a mesma coisa.

Esses dias estava reparando isso no meu trabalho: os servidores de alto escalão tendem a andar apenas com outros servidores de alto escalão, os servidores "normais" tendem a andar com outros servidores "normais", os terceirizados tendem a andar com outros terceirizados, os estagiário com estagiários, e os prestadores de serviço com outros colegas semelhantes.

Qual a relação disso com dinheiro? TODA!

Se eu me cerco apenas de pessoas semelhantes a mim a tendência é que a minha forma de enxergar as coisas seja sempre a mesma, que minha mente enxergue sempre as mesmas oportunidades e os mesmos riscos. Se eu puxar o papo "empreendedorismo" e "marketing digital" com um casal de servidores públicos em que cada um ganha R$ 10 mil, eles provavelmente farão pouco caso ou mesmo críticas sobre o assunto, já que a bolha deles (em que eles vivem bem) são aqueles dois contracheques de R$ 10 mil.

Quer ver só? Outro dia escutei duas terceirizadas conversando sobre concursos, dando conselhos uma para a outra sobre a forma como estavam estudando, quais matérias estudar, etc. Ai eu pensei: nenhuma das duas passou em qualquer concurso pra estar dando conselhos uma para outra e, ironicamente, elas trabalham num órgão com um dos concursos mais disputados do Brasil, por que não pedir conselhos para algum dos centenas de servidores que já passaram por esse desafio e que trabalham ao lado delas?

Todo mundo conhece aquele ditado que diz: você é a média das pessoas com quem convive.

Sendo assim, para crescermos em alguma área da vida o ideal é buscarmos conviver com pessoas que já chegaram lá ou que pelo menos estão no caminho certo.

Dito isso, vou ao título do post: quem nasce em família pobre precisa vencer uma coisa que é muito mais forte que a falta de dinheiro que é a...

MENTALIDADE DE POBREZA!



É muito louco mas quem não abre os olhos pra isso e vai vivendo aquela vida "pré determinada" vai deixando que suas condições econômicas as molde. Eu vejo muito isso no trabalho, os servidores efetivos (bem remunerados e a maioria de famílias com condições razoáveis) se comportam de uma maneira totalmente diferente dos terceirizados (salários baixos e famílias humildes).

Não me refiro ao preço da roupa ou ao carro que andam, mas em relação a aspectos comportamentais. A entonação da voz, o vocabulário, a forma de falar, a forma de andar, os hábitos alimentares, o tipo de roupa que vestem, a forma física, as coisas sobre as quais conversam, etc. É como se só de olhar, mesmo sem um crachá pra distinguir, você consegue identificar a qual "casta" pertence determinada pessoa.

A mesma coisa aconteceria se um grupo de jovens empresários observasse a minha casta, de servidores efetivos, iriam olhar com desdém pensando que são pessoas que trocam seu tempo por dinheiro, que tem sua renda limitada a um contracheque, que se submetem a cumprir horários em troca de um salário, que não tem liberdade, etc.

CONCLUSÃO


A moral dessa história é que um dos passos mais importantes para crescermos em uma determinada área da vida é buscar conviver com pessoas que tenham esse mesmo objetivo e, principalmente, com pessoas que já chegaram lá.

A própria blogosfera de finanças é uma forma genuína de convivermos com pessoas que estão na busca da independência financeira e com algumas que já chegaram lá.

Então se você quer passar em um concurso, troca ideia com alguém que já fez isso.
Se você quer montar um negócio digital, troca ideia com alguém que já fez isso.
Se você quer ficar sarado com barriga de tanquinho, troca ideia com alguém que já fez isso.
E se você quiser sair da pobreza, troca ideia com alguém que já fez isso.

Abraços,

Senhor Ministro

31 comentários:

  1. Olá, Ministro. Sim, isso que você colocou é bem verdade.
    Porém, sempre há um porém, corre-se o risco de se fechar em visões de mundo e comportamentos. A vida vai ficando um pouco mais igual, as conversas também, bem como os objetivos.
    Não acho que assim seja a melhor forma de se viver a vida, mas compreendo o seu ponto, e creio que talvez esse seja um primeiro passo, principalmente para quem ainda está se firmando seja profissional, pessoal ou espiritualmente.
    Porém, depois de um certo estágio da vida, a convivência apenas com pessoas "iguais" em fala, hábitos, opiniões, objetivos é mais deletério do que salutar.
    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Soul! Excelente colocação, como sempre!

      De fato, é algo natural do ser humano buscar a sua "tribo", aquele grupo social em que ela se sente a vontade ou mesmo que ela enxerga que lhe trará benefícios.

      Todo mundo está buscando o seu lugar no mundo, todo mundo busca aceitação, e quando encontramos nosso "nicho", a tendência é ali ficarmos!

      Porém, como você bem frisou, depois de um determinado estágio a convivência unicamente com iguais pode trazer mais prejuízos do que benefícios, sendo o principal deles a estagnação do pensamento.

      Logicamente que depende de cada pessoa. Outro dia estava ouvindo um podcast em que um cara fez uma explicação científica do que é ser feliz. Segundo ele, friamente falando, uma pessoa feliz é aquela que não almeja nada a mais em sua vida, que está 100% satisfeita com seu estado atual.

      Eu sinceramente discordo, na minha opinião a felicidade está no caminho de estar sempre em constante crescimento, e justamente para estar em crescimento é preciso eventualmente nos atentarmos para expandir nossos horizontes, inclusive as pessoas com quem convivemos.

      Abraço!

      Excluir
  2. MI,

    otimo post.
    esses dias num churrasco com amigos, amigos de infancia, descobri que nunca haviamos conversado sobre finanças. os papos com os amigos "da antiga", são sempre os mesmo. relembrar o que aprontamos, as garotas que pegamos, um pouco de politica, futebol, e falar um pouco sobre nossos empregos. Mas descobri que nunca tinha falado com eles sobre finanças.

    Qdo um deles (o mais velho do grupo) puxou assunto que se aposentou (no papel) e que deveria pegar esse valor da aposentadoria e investir, já q ele continua trabalhando, mas ao invés disso ele utiliza aposentadoria nos gastos mensais. Na hora fiquei meio sem ação, não quis dar muito palpite pq logo percebi que nenhum deles entende nada de finanças/investimentos. Falar de ações pra esses caras é pedir pra ser chamado de burro, pois para eles investir em ações é jogar dinheiro fora. Falar em ter uma vida frugal então é total absurdo, não imaginam ter que viajar menos ao longo dos anos para economizar. Isso para eles é deixar de viver.
    Enfim, continuo sendo um peixe fora d´agua. Só encontro com quem conversar aqui na blogosfera.

    abs e bons investimentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Kspov!

      É cara, é muito difícil falar de dinheiro com as pessoas até porque é um assunto muito multifacetado. Com algumas pessoas um papo sobre "como ganhar dinheiro" pode render bem, mas ai quando se fala de bolsa de valores a coisa desanda. Já com outras até rola o papo bolsa de valores, porém quando se fala de independência financeira o papo desanda. Já com outras pessoas dá pra falar de independência financeira, mas quando se fala de ganhar dinheiro, o papo desanda.

      Uma das coisas maravilhosas da internet é justamente a possibilidade de agregar pessoas com objetivos em comum. Uma pena que nossa blogosfera seja majoritariamente anônima, pois seria incrível um dia rolar um encontro de todas essas feras!

      Abraço!

      Excluir
    2. O anonimato é uma maneira de nos protegermos ,de bandidos ,de gente interesseira e de familiares e amigos descontrolados pedindo dinheiro emprestado.

      Quando conheci o tema educação financeira fiquei fascinado e logo tentei levar as "boas novas" para amigos e familiares tentando "convertê-los",o resultado foi que me taxaram de pão duro,pediram dinheiro emprestado e fiquei como "o egoista e malvado capitalista "que quer ficar rico enquanto outroas pessoas passam fome(como se uma coisa tivesse relação com outra).

      Ainda bem que temos a internet e podemos conviver virtualmente com vários tipos de pessoas nas mais diversas áreas o que serve de inspiração para muita gente.

      Abraço e muito sucesso!

      Excluir
    3. É exatamente isso Anon!

      Eu geralmente falo e sou perguntado sobre coisas relacionadas a investimentos, é um assunto que, de forma geral, não encontro tanta resistência, afinal todo mundo gostaria de ser um grande investidor.

      Porém coisas como independência financeira, renda passiva, aporte mensal, etc aí já não dá pra falar com todo mundo, é coisa mais avançada.

      Mas uma coisa que aprendi, não só em relação a educação financeira mas qualquer outro assunto, é não tentar ajudar nem converter ninguém por conta própria.

      Quando nos disponibilizamos a abrir os olhos de uma pessoa sobre determinado assunto, geralmente não dá certo. Se eu quero ajudar alguém eu dou pistas sutis que domino aquele assunto e aí deixo a pessoa decidir se vai pedir ajuda ou não.

      É aquela história, "em briga de marido e mulher não se mete a colher", com dinheiro é a mesma coisa, eu só meto a colher se for chamado.

      Abraço!

      Excluir
    4. "Porém coisas como independência financeira, renda passiva, aporte mensal, etc aí já não dá pra falar com todo mundo, é coisa mais avançada."

      Então ,MI,o que vc falou acima é um das muitas etapas para se tornar um bom investidor,alias começa bem antes com o Mindset a partir dai tem que procurar aprender e se aperfeiçoar constantemente, inclusive focar em ganhar mais.

      "Porém coisas como independência financeira, renda passiva, aporte mensal, etc aí já não dá pra falar com todo mundo, é coisa mais avançada."

      Aprendi apanhando hoje so observo ,pegue os comentários sobre alguma reportagem sobre atraso de salarios nos Estados , é uma situação desesperadora ai não associam essa condição com a ignorância financeira

      Excluir
  3. MI
    Lembrei de outra coisa.
    Convivo diariamente com gerentes e alguns diretores. Esse publico já é diferenciado, mas tb não são expert em finanças, mas sabem ganhar dinheiro. E vejo como os caras pensam em relação a dinheiro. Enquanto pra turma do churrasco estudar é uma obrigação, pra essa turma da empresa, estudar é investimento. Da pra perceber bem pq um grupo tem renda média de uns 8k e outro grupo renda média de 30k.

    Mas sobre investimentos não converso com nenhum dos grupos. Ambos tem algo em comum, querem aproveitar a vida, e guardar dinheiro é perder boas oportunidades de viver.

    Enfim, compartilho de uma vida mais frugal para poder aportar e um dia sair da corrida dos ratos.

    abs e bons investimentos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente essa mudança de paradigmas entre um grupo e outro que torna tão rica essa busca por conviver com pessoas diferentes.

      Um grupo vai enxergar educação como obrigação, outro grupo vai enxergar educação formal como investimento, já outro grupo vai achar educação formal um lixo e valorizar a educação prática.

      Enfim, é sempre salutar expandirmos os horizontes!

      Excluir
  4. Olá Ministro,

    Você foi muito bem nas abordagens na postagens. Parabéns!
    Há muito tempo eu vi esse padrão. Pessoas do mesmo andando juntas.
    Se a gente não buscar, correr atrás para mudar. Não sairemos da matrix.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Cowboy!

      É cara, esse é um comportamento normal, a psicologia deve explicar isso.

      Mas como você disse, se não tomarmos consciência do que estamos fazendo com a vida, a matrix vai nos levando facilmente!

      Abraço!

      Excluir
  5. Muito bom ministro. Por isso temos a nossa blogosfera FIRE muito ativa. Abcs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso ai!

      Vida longa à blogosfera de finanças!

      Excluir
    2. Esse AA40 é o maior velho turrão que fica soltando a baiana quando discordam da opinião dele. Veja o último post dele onde dá xilique igual uma adolescente de 15 anos porque os "anoms" querem "testar" a paciência dele, é mole ?

      Excluir
    3. Tô por fora desses "babados" da blogosfera rs

      Mas o AA40 é fera, devia estar num dia ruim!

      Abraço!

      Excluir
  6. Olá Ministro do Investimento,

    Trabalhei por um tempo no banco e vi que eram extremos: os clientes com mais dinheiro nunca tiveram nada de educação, reclamavam muitas vezes sem razão e até humilhavam com palavrões mesmo (eu sendo estagiário).

    Mas com os gerentes eles eram um "amor de pessoa", tomava cafezinho junto, contava piada. E ainda tinha coragem de falar mal dos terceirizados/estagiário como se fossemos bichos.

    Os clientes mais pobres e menos escolarizados não tinham educação mas era até compreensível.

    Então tirei a conclusão que muito "rico" realmente não tem um pingo de caráter, ou respeito. Porém, com outras pessoas de poder aquisitivo semelhantes eles tem uma máscara.

    Esse tipo de rico soberbo, típico rico brasileiro, eu não quero ser jamais, nem andar junto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Anon,

      Não me leve a mal mas estou sentindo em você uma enorme carga de mentalidade de pobreza, justamente o que falo no texto.

      Provavelmente você teve algumas experiências ruins com pessoas supostamente ricas (pois muitos vivem de aparência), e está generalizando esse comportamento como do "típico rico brasileiro", ao mesmo passo que justifica os "mais pobres" de serem mal educados, dizendo ser "compreensível".

      Você pode até pensar que é besteira, mas você está ensinando a sua mente que ser pobre é bom e ser rico é ruim.

      Muitos ricos, provavelmente a maioria, não adotam esse comportamento que você descreveu. Portanto tira da sua cabeça essa coisa que ficar rico significa se tornar uma pessoa esnobe e mal educada, isso não existe!

      Abraço!

      Excluir
    2. ia falar a mesma coisa.
      A maioria das pessoas ricas que conheço são bem generosas. Bem mais que os pobres que conheço.
      Mas enfim, cada um tem a sua realidade

      Excluir
    3. Boa Kspov!

      Justamente por isso que devemos eventualmente buscar expandir nossos horizontes de relacionamento, pra descobrir o que há além da nossa realidade, fora da nossa bolha.

      Excluir
  7. Ótimo post! Sou novo na blogsfera e estou acompanhando seu blog a algum tempo. Te adicionei ao meu blogroll!

    Acessa meu blog: https://gekkodesenvolvimento.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Bom post Ministro.
    Voce pode se acompanhar de grandes pessoas lendo seus livros tais como John Bogle, PEter Lynch, Buffet e etc. Hoje em dia os pobres tem mt mais acesso a informacoes do que na decada de 90, basta um PC com internet em casa (R$1000) pra baixar pdf e ler, ou entao comprar um kindle de 400 reais e ler. Eu tive uma infancia e adolescencia muito dificil em termos de dinheiro, era só o básico e tinha dias que faltava o básico, mas eu sempre li muito, pegava livro atrás de livro (tive sorte de estudar numa escola publica com uma boa biblioteca) e com isso evoluí bastante. Claro que meus amigos da rua estavam jogando bola e brincando nas calçadas, eu também fazia isso, mas chegava em casa e lia pelo menos umas 3h a noite, todo dia eu acho. A melhor companhia do pobre é um livro, isso desde criança até os 18 anos fará uma diferença enorme, tanto na própria educação quanto na questão do emprego, do jeito de ser, de falar e de se comportar. Aos 14-15 anos eu já era totalmente diferente dos meus amigos, e eles mesmos que diziam isso. As meninas falavam que eu "tinha jeito de rico", EU, que ia pra escola de bicicleta pq não tinha dinheiro da passagem do ônibus. Mas o que eu fazia mesmo era ler e ser mais comedido nas palavras e nos atos, até um pouco introspectivo e pensativo demais, mas nunca tímido, sempre brincalhão, só isso.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou tudo Frugal!

      Nós nunca devemos deixar que nossas condições atuais nos limitem, sempre há uma saída, e sua história é prova disso, os grandes autores foram as pessoas das quais você se cercou para ser alguém melhor, e deu certo!

      Como você disse, hoje em dia não falta informação, qualquer um com alguma força de vontade pode se tornar especialista em alguma área e ganhar dinheiro com isso.

      Valeu por compartilhar!

      Abraço!

      Excluir
  9. O colega Frugal falou acima que tinha "jeito de rico" na juventude por que lia muito.

    As pessoas falam que escrevo muito bem para minha idade, mas eu me esforço para ser culto, educado, porém não consigo. Falo de forma errática, pois sou introvertido. Não sei comer de talheres e falo um pouco alto. Sou muito estranho. Além disso sou pobre e feio.

    Tenho vergonha de ir a alguns eventos e ver os outros comendo com talheres e eu com a colher. Fico com lágrimas nos olhos. Nem como de vergonha. Na minha casa passamos por dificuldades financeiras e ninguém pensa muito nessas coisas.

    Tenho vergonha de ser assim, queria que as pessoas se admirassem da minha educação. Às vezes me sinto muito para baixo, pois me acho inteligente, mas agora vi na blogosfera que para atingir a IF é preciso ser culto e requintado.

    Será se ainda posso recuperar o tempo perdido? Tenho 17 anos.

    Penso em estudar, trabalhar, morar em outro lugar mais frio do Brasil onde os habitantes falem melhor e virar outra pessoa. Quero um dia é fazer um curso de etiqueta para cavalheiros e de oratória também.




    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Anon,

      Cara, estou com dificuldade de interpretar se você está falando sério mesmo hehe mas vamos lá.

      Primeiro: para atingir a IF não precisa ser culto nem requintado, basta ganhar dinheiro e investir dinheiro, simples assim. O dinheiro não vê cara nem coração!

      Segundo: que coisa louca essa do talher rsrs mas bom, a não ser que você tenha graves problemas motores ou mal de parkinson, tente durante 1 semana usar garfo e faca e com certeza você irá aprender. Esqueça a colher e não ligue se alguém da sua família tirar onda da sua cara.

      Terceiro: curso de etiqueta para cavalheiros? KKK Que figura!

      Anon, você tá novo, faça como o Frugal, leia bons livros, busque conhecimento, escolha uma área com a qual você se identifica e vá buscar um estágio ou trabalho de aprendiz, participe de cursos e seminários, participe de fóruns na internet, pesquise vídeos no Youtube, se relacione com autoridades e microautoridades da área no Instagram, etc.

      O mundo está a seu alcance! Não esquece disso!

      Excluir
    2. Não, não estou fazendo gracinha, estou falando sério.
      Sou desgostoso de mim mesmo. Eu queria ser uma pessoa rica, bonita, que se veste bem, que se porta bem, que fala bem, ter uma casa confortável, um carro confortável, não precisar andar a pé fritando no sol com uma pele horrível, mas, pelo que vejo aqui na blogosfera, não vou conseguir ser.

      Sinceramente ler o blog de vocês me deixa mais desanimado que visitar as redes sociais. É muita contradição, primeiro, falam que qualquer pessoa, dentro de suas possibilidades, pode ser rica. Depois, agora só quem tem "alma" e "porte" de rico é que pode um dia ter boas condições financeiras. Vou para de vir aqui, está me fazendo mal demais. Pois para atingir a IF é preciso ter jeito de rico e só andar com ricos.

      Vou estudar, passar no vestibular trabalhar, e viver a vida a minha maneira e parar de pensar em coisas que não são para mim.

      Excluir
    3. Anon, acho que você entendeu errado a mensagem. Vamos lá...

      A sua realidade você descreveu: "feio, pobre, estranho, desgostoso da vida, anda a pé, etc"

      Por outro lado você também descreveu aonde quer chegar: "ser rico, se vestir bem, ter uma casa confortável, um carro confortável"

      Logicamente que há um gap entre essas duas realidades, certo? A questão é o que você vai fazer para atravessar esse gap.

      Se você moldar sua realidade apenas aos pobres, feios, e estranhos que convivem com você, essa será sua eterna realidade. Porém você pode moldar sua realidade a alguém bem sucedido, que já tem a vida que você gostaria.

      Não precisa necessariamente ser amigo dessa pessoa, o que você precisa é modelar os comportamentos e mentalidade dessa pessoa. Leia o que o Frugal disse, ele teve vários mentores que foram sua inspiração, porém não conheceu nem "andou" com nenhum, ele apenas leu seus livros e entendeu a mensagem que eles queriam passar.

      Eu vejo o Instagram hoje como algo muito poderoso pra fazer isso. Muita gente bem sucedida tem compartilhado conhecimentos muito valiosos por lá. Basta você saber filtrar quem está querendo apenas ostentar e quem, de fato, está querendo compartilhar conhecimento.

      E aí vai de você olhar para alguém sucedido e sentir inveja e tristeza por não ter aquela vida, ou mudar para um olhar de admiração e inspiração! Afinal, sempre vai existir alguém melhor do que você em alguma coisa, por que não aproveitar, se possível, o conhecimento e experiência de vida dessa pessoa nessa "alguma coisa?"

      Abraço!

      Excluir
    4. Todas as vezes que eu comentei em seu blog você sempre diz que estou errado, com pobre visão vitimista, coitadista, derrotista, e não se atenta a parte que eu digo que QUERO e TENTO ser alguém rico.

      As vezes prefiro construir meus próprios planos, objetivos, de vez em quando tento pedir um conselho, mas compartilhar com vocês é um erro, sempre colocam um defeito. Se vocês aqui da blogosfera era exatamente as pessoas bem-sucedidas que eu tinha mais contato, quem eu vou procurar? Os ricos do Instagram? Agora é que para ser bem-sucedido precisa já ter "jeito de rico", "alma de rico". Como isso não desanima uma pessoa que passa por dificuldades? Eu sou um ser humano, não um robô ou uma máquina extremamente racional. Acho que só eu entendo por o que passo.

      Tenho medo de manter um blog e ser bombardeado com mais críticas e acusações. Pois quando vou comentar (mesmo logado), sempre sou "a vítima". Acho que quando eu parar de visitar a blogosfera de finanças vou ter mais paz.

      Você, Frugal, Conhecimento Financeiro são extremamente contraditórios em suas postagens. Me arrependi de ter entrado em contato com vocês.

      Boa sorte em sua vida financeira.

      Excluir
    5. Anon,

      Se você QUER e TENTA ser rico, ótimo, já está a frente de muitos que apenas QUEREM mas não passam para a etapa de TENTAR.

      Não sei de onde você tirou essa coisa de "alma de rico", mas enfim. Mas resumindo, consuma conteúdo de pessoas que te inspiram a chegar nos seus objetivos, se de algum modo o meu blog ou a blogosfera em geral não tem contribuído pra isso, simplesmente busque algo que te faça bem.

      Mas lembre-se do que eu disse: você pode olhar para alguém melhor que você de duas formas: 1. Sentindo inveja e depressão por não ter aquela vida 2. Se inspirando por aquela vida e tentando hackear os caminhos para chegar lá.

      Abraço!

      Excluir
  10. Basicamente a teoria do ambiente influenciando o individuo, acredito muito essa ideia, existem outliers claro, mas normalmente a regra das pessoas mais próximas diz o que você seria..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso ai!

      Isso acontece de forma sutil, muitas vezes nem percebemos.

      A simples exposição a pessoas com outras ideias e vivências muitas vezes nos faz ter pequenas "explosões mentais", que são absolutamente necessárias no processo de crescimento e de encontrarmos qual é o nosso caminho nesse mundão de meu deus!

      Abraço!

      Excluir