terça-feira, 12 de junho de 2018

Se Você Não Acredita no Brasil, Não Invista na Bolsa

Se Você Não Acredita no Brasil, Não Invista na Bolsa


Calma! Antes que você pense que fui tomado por um sentimento ufanista em virtude da Copa do Mundo, te adianto que não é nada disso! Eu gosto de futebol e acho que o Brasil tem grandes chances de ser hexa, mas o papo aqui é finanças, mais especificamente: bolsa de valores.

O mês de maio foi um dos piores meses da bolsa nos últimos tempos, com quedas fortes em todos (ou quase todos) os ativos. Além de acompanhar a blogosfera eu também acompanho uma galera que fala de finanças no Youtube e Instagram, e o que percebi foi o seguinte: os investidores amadores não aguentaram ver seu patrimônio derretendo e caíram fora da bolsa. Já os investidores mais "antenados" decidiram aproveitar o momento para comprar pechinchas.

Mas uma coisa engraçada aconteceu: muitos investidores "antenados" começaram a "arregar". Muitos começaram a duvidar da capacidade de o Brasil e, consequentemente, da bolsa se reerguer. Alguns decidiram parar de aportar em renda variável e aguardar a turbulência passar, outros decidiram investir só no exterior. A breve experiência "venezuelística" que tivemos com a greve dos caminhoneiros  certamente contribuiu para essa descrença generalizada. Ficou escancarada a fragilidade política e econômica do país.

Como então investir em ações em um país tão instável? Será que num país como o nosso é possível pensar em investir em ações no longo prazo?

E pensando no agora, no meio dessa crise toda, é hora de aguardar as eleições e uma definição melhor do que será o país ou enxergar esse momento como oportunidade de investimento?

Não existe uma resposta certa ou errada para essa pergunta, mas uma coisa eu afirmo: se você não acredita que o Brasil pode melhorar e dar a volta por cima, não invista na bolsa. Por melhor que sejam as empresas listadas na Bovespa, todas estão expostas ao risco sistêmico, portanto se o Brasil tomar um rumo equivocado economicamente, todas as ações vão sofrer. Portanto investir na bolsa é acreditar que o Brasil do futuro pode ser melhor que o Brasil do presente, pelo menos economicamente falando.


Nesse momento há uma descrença generalizada no país, sentimento diretamente refletido na cotação das ações, que estão em queda livre. Nesse momento o Brasil está em baixa, com baixíssima credibilidade. Nesse momento cabe a você, investidor, perguntar a si mesmo se acredita que o Brasil, 9ª maior economia do mundo, pode dar a volta por cima (e aproveitar para pagar "barato" pelo Brasil), ou se você acha que o Brasil ainda não chegou no fundo do poço e o buraco ainda é mais embaixo.

Como estamos em clima de Copa do Mundo, vamos fazer uma analogia com a história do grande jogador Ronaldo "Fenômeno". Copa de 1998, Ronaldo, recém eleito o melhor jogador do mundo pela 2ª vez, era a maior esperança de gol para o Brasil, porém, na final da copa, sofreu de misteriosas convulsões que prejudicaram severamente o seu desempenho e que levou o Brasil a derrota de 3x0 pra França.

No ano seguinte, 1999, Ronaldo, jogando pela Inter de Milão, sofre uma lesão no joelho que resulta na sua primeira operação. Depois de 5 meses parados, ele retorna a campo no 2º tempo da final da Copa da Itália, contra a Lazio, depois de 6 minutos em campo ele acaba contundindo gravemente o mesmo joelho operado (imagem abaixo) e sai de campo chorando.

ronaldo lesão

Essa lesão deixou o jogador mais 1 ano e 3 meses fora dos gramados. Ronaldo volta a jogar em Julho/2001, exatamente 1 ano antes da Copa, porém em Dez/2001 mais uma lesão, mais 3 meses sem jogar. Naquele momento o jogador Ronaldo estava em baixa, muitos questionaram a convocação dele para a Copa do Mundo de 2002, afinal entre 1999 e 2002 ele passou mais tempo machucado do que em campo e tínhamos o baixinho Romário artilheiro do campeonato brasileiro na época. O resto da história vocês devem conhecer. Quem "comprou" Ronaldo barato antes da copa, deve ter "vendido" caro, depois do penta.

ronaldo

Abraços,

Senhor Ministro

contato: mininvestimento@gmail.com

15 comentários:

  1. Olá SM,

    O Brasil está péssimo no momento, mas já foi bem pior. Eu não acredito que ele pode se tornar uma Venezuela, pelo menos espero. Pelo que o pessoal prega, essas empresas boas vão todas acabar. Isso só pode acontecer se tivermos um ditador muito radical e isso é quase impossível de acontecer.

    Eu vou continuar investindo com baixa ou alta.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema não seria só a empresa acabar. Uma forte desvalorização também atrapalharia e muito os planos dos investidores...

      Excluir
    2. E ae Cowboy, eu também duvido que o Brasil possa virar uma Venezuela, não sejamos radicais, é muito difícil isso acontecer. Na verdade acho que estamos vivendo no Brasil muito mais uma crise de confiança do que algo relacionado aos fundamentos econômicos.

      Independente de quem for eleito em outubro, minha esperança é que o Brasil possa retomar a calmaria e se tornar um ambiente de prosperidade econômica, e não de caos político como nos últimos anos. Para isso, algumas medidas impopulares terão que ser adotadas, vamos aguardar....

      Excluir
  2. Olá Ministro,

    Assim como o Cowboy, também vou continuar investindo por aqui. Mas sem deixar de montar meu seguro no exterior hehe.

    Diferente do Cowboy não acho impossível entrar um ditador aqui não. Infelizmente é possível...

    O triste é olhar para nosso quadro politico e enxergar as mesmas coisas e coisas que continuarão a deixar o país onde está.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ai Inglês, montar uma reserva no exterior é sim muito prudente, só não sei se o timing é o melhor, com o dólar nas alturas...

      Não tem a menor chance de assumir um ditador ou coisa do tipo, as instituições públicas hoje são muito mais maduras do que na década de 60/70 ou mesmo comparado-se com países do oriente médio.

      Em relação ao quadro político, de fato, não há uma sinalização de que um dos quadros que estão despontando como favoritos signifique um avanço relevante para o país. No momento em que vivemos, só de ter um governo que não atrapalhe o país, já seria um grande avanço.

      Abraços!

      Excluir
    2. Lula foi preso, Alckmin e Aécio na berlinda, tenho fé que também serão pegos.

      O ideal seria o Amoedo e o Novo ganharem para acabar com os privilégios dos políticos por dentro, mas do jeito que vão as coisas, vai ser Bolsonaro, privatizações e porte de armas liberado pra ter menos cleytons nas ruas.

      Só vejo cenário otimista pro futuro se o Novo ou Bolsonaro assumirem, pois inclusive funcionários públicos terão salários e aposentadorias milionárias cortadas.

      Excluir
  3. continuarei investido regularmente na bolsa, espero que em 30 anos esse quadro atual seja uma lembranca tão vaga, que não irei nem lembrar :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso da mesma forma Rodrigo, quando se está no meio do furacão é difícil enxergar uma saída, mas tentando enxergar como um observador externo, é possível vislumbrar sim que o Brasil é um país maduro o suficiente para sair dessa crise.

      Abraços!

      Excluir
  4. O Brasil não é para amadores, Infelizmente o populismo interfere demais na economia. Muito complicado, mas continuo investindo em empresas que acredito no potencial. O que mais desanima é ver um monte de político falando que a saída é taxar isso e aquilo e nenhum falando em cortar gastos.

    Um abraço,
    Investidor doméstico.
    https://investindonaif.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é ID, algumas coisas só acontecem no Brasil e, infelizmente, o povão se habituou ao discurso e à prática populista, principalmente em virtude do sucesso econômico efêmero que o país viveu por volta de 2009 e 2010.

      Quando às eleições, não espere ninguém falando de reformas ou corte de gastos públicos, isso não ganha voto. O mais prudente é analisarmos o histórico e discursos dos candidatos antes de eles serem efetivamente candidatos, assim teremos uma base melhor da corrente de pensamento de cada um.

      Abraços!

      Excluir
  5. Não entendo, nego estava reclamado que a bolsa estar esticada aí não investia, agora que caiu não investe pq estamos em crise. Decide investir fora com dólar batendo record e não queria investir fora quando o dólar estava abaixo de 2 reais pq não valia a pena.... mundo maluco.

    Sr. IF365

    Blog do Sr.IF365 | Acompanhe meus últimos 365 dias antes da IF e Aposentadoria Antecipada
    www.srif365.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sr.IF365, você foi cirúrgico em sua colocação.

      Na vida em geral mas principalmente no mercado mercado financeiro temos que manter sempre ligado o "alerta da manada" pois as melhores oportunidades geralmente estão onde a manada não está. Temos que ser "do contra" mesmo!

      Abraços!

      Excluir
  6. Eu estava pensando exatamente a mesma coisa Ministro, nunca o "Sell in May and go away" foi tão real quanto o de agora. Eu até pensei em vender tudo na alta antes da greve, mas aí me apeguei na ideia de investir em "fundamentos" e apostar na melhora geral do longo prazo.

    Está muito difícil ver todos os meus ativos de renda variável no negativo, mas vou suportar essa turbulência pois acredito que o futuro é de melhora no longo prazo, apertem os cintos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E ai Anon,

      Acho que você deve esquecer essa coisa de "até pensei em vender tudo na alta antes da greve". Pensar todo mundo pensa, difícil é colocar o dedo no botão, olhar pro passado é muito fácil, é o que chamam de engenheiro de obra feita.

      Eu continuo acreditando que os fundamentos prevalecerão no longo prazo e vejo as cotações em baixa apenas como uma chance de comprar bons ativos a preços atrativos.

      O que me preocupa são os ativos mais arriscado que eventualmente não tem os fundamentos tão bons, que sofrerão mais pra se recuperar (tenho um ou dois desses na carteira).

      Abraços!

      Excluir
  7. O Brasil já passou por crises infinitamente mais profundas que esta e sempre saiu melhor, ainda que pouco.

    Há menos de 30 anos tivemos tabelamento de preços nos mercados (governo Sarney), inclusive com a ameaça de o governo confiscar gado no pasto dos fazendeiros.

    Já tivemos desabastecimentos muito mais fodidos que o causado pelos caminhoneiros, em 1982 por exemplo, causado pela crise da dívida externa.

    Até os EUA já experimentaram um desabastecimento de combustíveis fodido nos anos 70 (crise dos combustíveis).

    Em fins, esse pessoal que se alvoroça com uma leve turbulência como a atual é quem financia o lucro dos investidores pacientes.

    Eu recomendo que continuem assim, comprem na alta e vendam na baixa.

    ResponderExcluir